Sobre

Tudo Sobre Plantas - Usos e costumes

Desde sempre que as plantas silvestres são usadas pelos povos para seu proveito. Ao longo de séculos, e até de milénios, o Homem foi, por experimentação e erro, aprendendo a utilizar as plantas que o rodeavam. Neste decurso é fácil perceber que as experimentações que ocasionavam resultados positivos seriam valorizadas e transmitidas. Em meio rural essa transmissão foi sendo efectuada de forma oral ao longo do tempo, pelo que esse conhecimento chega aos dias de hoje apenas em formato de património cultural das populações.

Nas últimas décadas a evolução tecnológica exponencial conduziu a um estilo de vida predominantemente urbano e consequentemente ao abandono progressivo do estilo de vida rural. As zonas interiores e mais ruralizadas foram progressivamente ficando mais desertificadas de presença humana e as populações que aí se mantiveram foram envelhecendo. Devido a estas causas, mas também a outros factores, como o avanço da medicina e a crescente facilidade de acesso a esta e aos produtos farmacêuticos, hoje em dia a tradicional medicina caseira tem já um carácter residual, subsistindo os conhecimentos a ela ligados quase exclusivamente nas pessoas mais idosas e de estilo de vida rural.

Etnobotânica é urna área da ciência relativamente recente, visando a investigação da relação que existe entre o Homem e as plantas. Ou seja a Etnobotânica estuda o modo como os povos concebem e utilizam as plantas, recorrendo aos conhecimentos tradicionais e populares/indígenas. Dada a crescente tendência para a extinção dos conhecimentos tradicionais relativos aos usos medicinais das plantas, torna-se importante e necessária a recolha destes saberes populares, recolha esta que é cada vez mais urgente dado o rápido fluxo de esquecimento e perda deste património cultural.

Os estudos etnobotânicos, como o que está na base desta página, são hoje em dia as ferramentas mais adequadas para a recolha destes saberes, visando preservá-los sob a forma de memória escrita. No entanto, a preservação destes conhecimentos não deve estacar por aí já que, tendo em conta a época em que estamos em que tanto se fala de “inovação”, se torna absolutamente importante inventar novas formas de usar e usufruir desse legado cultural que nos chegou dos nossos antepassados.

Como exemplos, estes saberes podem ser empregues em educação ambiental, em novas formas de medicina alternativa (após estudos que comprovem a acção medicinal das plantas), em produção e comercialização biológica dessas plantas, em eco-turismo, em ornamentação, em perfumaria, em gastronomia, etc.

No nosso país foram já realizados alguns estudos etnobotânicos, no entanto muito ainda está por recolher pelo que se deixa aqui um incentivo à elaboração de mais estudos desta índole e ao investimento em novas formas de valorização destes recursos vegetais e culturais.

IMPORTANTE: Tenha bem presente que esta não é uma página de receitas medicinais, mas sim uma divulgação dos usos e costumes das populações acerca dos usos populares das plantas empregues tradicionalmente na medicina caseira. Assim, esta página não pretende ser uma página de medicina mas sim uma página em que se transmite o património cultural do povo. Deste modo, é de salientar que qualquer utilização desta página como orientação para o consumo das plantas nela apresentadas é da exclusiva responsabilidade do visitante.

As entradas sobre as plantas estão organizadas da seguinte forma:

Nome vulgar
outros nomes vulgares

Nome científico
(família botânica, segundo Flora lberica)

Habitat
(quando se trata de uma espécie espontânea)

Origem
(quando se trata de uma espécie não nativa de Portugal)

Usos Medicinais na Medicina Popular
(usos referidos por populares)

Observações
(quando referidas outras informações de interesse complementares; ou adição de alguma informação relevante)

Época de floração
(quando as flores são o órgão utilizado)

Outros Usos Atribuídos
(quando outros usos foram referidos pelas pessoas)

Deixe uma resposta